31 de dez de 2011

Como dizia Chico: Amanhã vai ser outro dia

Ok. Conclui que tenho um incrível bloqueio para escrever (aqui). Descobri que não me dou (tão) bem com as palavras. Falta de prática? Talvez. Mas não poderia abandonar o Zebrou logo no último dia do ano.

       Último dia do ano? Hm. Sendo uma pessoa cética, desacreditada ou que pelo menos não vê sentido em acreditar em muitas coisas (mesmo querendo!), acabo me deixando levar pelo fato de que não há nada demais no último dia do ano. É só uma simples divisão de tempo para facilitar a vida. E mesmo achando a maior tonteira o turbilhão de publicações no facebook de “Ano novo. Vida Nova”, não tem como não sensibilizar, pelo menos um pouco, com essa questão.
       O fato é que a vida anda tão difícil que esperar coisas boas não é uma tarefa que anda tendo muitos resultados. E com o espírito de Natal contagiando, com a canseira da rotina incomodado e com a MegaSena da Virada iludindo, não há oportunidade melhor para apostar no próximo ano.
       E até os mais desacreditados e desiludidos se rendem à crendices, à expectativas e promessas. E por fim, acabam pedindo (para quem?), lá no fundo, que o ano seja melhor, repleto de amor, paz harmonia, blá blá blá.

Adeus ano velho. Champanhe por favor. 00:00. Lágrimas. Fim.


E a minha promessa é que em 2012 levarei este blog a sério!

Nenhum comentário